Youtube Facebook Twitter Flickr Instagram Contato

Confederação Brasileira de Golfe

Rodrigo Lee não passa o corte em etapa que marcou o retorno do Korn Ferry Tour

15 de junho de 2020

Rodrigo Lee não conseguiu passar o corte do Korn Ferry Challenge, torneio que marcou o retorno do Korn Ferry Tour. O golfista paulistano foi o primeiro brasileiro a jogar após a pandemia do novo coronavírus e segue nos EUA para a próxima etapa do circuito, o The King & Bear Classic at World Golf Village, disputado em St. Augustine, na Flórida, de 17 a 20 de junho.

Sem jogar há cerca de três meses e com pouquíssimo treino nesse período, uma vez que os clubes em São Paulo estavam todos fechados, Rodrigo Lee encontrou muitas dificuldades no retorno ao campo. Nas duas voltas que completou, o brasileiro anotou 145 tacadas (75, 70), +5, insuficientes para superar o corte, de -1. Após quatro dias de competições, o americano Luke List levantou o troféu, com 268 tacadas (66, 70, 65, 67), -12.

Confira a classificação completa em: https://www.pgatour.com/korn-ferry-tour/leaderboard.html

“Bom, nessa semana não joguei muito bem, mas me senti uma melhora nas tacadas. Ainda estamos entendendo as mudanças no calendário, mas essa próxima semana seria meu último torneio garantido antes do ‘reshuffle’. Vou seguir lutando aqui para conseguir um bom resultado e, assim, participar em mais torneios para conseguir uma classificação melhor”, ressalta Lee.

Nesta temporada, Rodrigo Lee conseguiu um cartão parcial por meio do QSchool, garantindo vaga nos oito primeiros torneios do ano. Após estas etapas, é feito o primeiro ‘resuffle’, uma reorganização dos atletas garantidos nos torneios, algo que passa ser feito novamente a cada quatro etapas. Lee ainda não conseguiu passar nenhum corte, o que dificulta um pouco a sua situação. Com as mudanças feitas pelo PGA TOUR em virtude da pandemia, entretanto, aumentam as chances para o brasileiro.

“Como estamos com essa dificuldade em relação aos voos para o Brasil e ainda posso jogar mais pela frente, dependendo da minha classificação, devo continuar aqui nos EUA por mais algum tempo”, finaliza Lee.

Confederação afiliada

Comitê Olímpico do Brasil Internacional Golf Federation R&A Federacion Sudamericana de Golf

Premiação 2019

Mapa do Site